bochechas

cá está :)



O ALT Fabrik, espaço em Lisboa da ALT - Associação de Criadores de Fotografia, inaugura no dia 26 de Junho a exposição "Ão", de Bruno Espadana.

Foi um acaso que deu início a tudo. Numa tarde em Vila Franca de Xira, num pátio ao lado de uma fábrica abandonada, um pequeno cão levantou-se nas patas traseiras para investigar melhor a objectiva da máquina, precisamente no instante em que esta disparava.

Rapidamente essa imagem ganhou vida própria e marcou o início de uma série de fotografias que ainda hoje continua a crescer. De Vila Franca à Alemanha, dos cães vadios dos cacilheiros ao canil da União Zoófila, já perdi a conta ao número de focinhos que fotografei. Desses, escolhi uns quantos que compõem esta exposição.

A minha preocupação com esta série é só uma - tentar olhar para os cães de forma diferente e mostrá-los como eu os vejo: como animais que nas atitudes e comportamentos (seja a profundidade de um olhar ou um simples abanar de cauda) estão mais próximos de nós do que muitas vezes notamos.

---
Bruno Espadana nasceu na Nazaré a 11 de Maio de 1976. Vive e trabalha em Lisboa.

Em 2000 preferiu ter uma máquina fotográfica a um leitor de CDs para o carro e começou a fotografar, quase exclusivamente a preto & branco (com alguns desvios ocasionais pela cor). Desde então já participou em diversas exposições colectivas e individuais, tendo fotos publicadas em diversas revistas e jornais.

É membro fundador da ALT - Associação de Criadores de Fotografia.

Nunca teve um cão.



Agenda da Exposição

Exposição: "Ão"
Local: ALT Fabrik – LX Factory, Rua Rodrigues de Faria, 103 – Edifício I – piso 3 – sala 3.4 – 1300 Lisboa. Telefone: 965786793
Horários: 26 de Junho a 31 de Julho – de Terça a Sábado das 15:00 às 19:00
Inauguração: 26 de Junho às 17:00

--
ALT Fabrik
http://www.fotoalternativa.net/
http://blog.fotoalternativa.net/
http://www.twitter.com/altfabrik
  • Current Mood
    happy happy
bochechas

a estrada

acabei neste preciso instante de ler 'A Estrada', de Cormac McCarthy, e tenho um nó na garganta do tamanho do mundo.
não sei que dizer mais.
bochechas

o terceiro reich

Depois de ter acabado há pouco o genial "Os Detectives Selvagens", acabei ontem "O Terceiro Reich", o livro de Roberto Bolaño editado este ano postumamente.

O livro foi escrito em 1989 (anterior portanto aos '...Detectives...' e ao monumental '2666', a sua última obra), mas nele já se consegue ler as características da escrita de Bolaño - as referências literárias, as personagens inesquecíveis, o domínio total da escrita e da narrativa. O livro começa lento, numa intencional transposição para a história do aborrecimento da praia da Costa Brava na qual a acção tem lugar. No entanto, rapidamente o ambiente se torna tenso, sufocante mesmo, e a história torna-se uma surreal vertigem de política, guerra, amor, literatura e tudo o mais que faz a marca de Bolaño.

E agora venha o 2666, que tenho ali à espera e que estou ansioso por começar...
bochechas

a profound philosophical joke

«This story is told by the Cambridge analyst John Edensor Littlewood in his lovely little book A Mathematician's Miscellany:

Schoolmaster: 'Suppose
x is the number of sheep in the problem.'
Schoolboy: 'But, Sir, suppose
x is not the number of sheep.'

Littlewood says that he asked the Cambridge philosopher Ludwig Wittgenstein whether this was a profound philosophical joke, and he said it was.»

(contado por Ian Stewart, no seu Professor Stewart's Hoard of Mathematical Treasures)
bochechas

robert johnson

Chegou ontem uma encomenda que esperava há uns dias - este impressionante livro de transcrições para guitarra de todas as músicas gravadas pelo grande Robert Johnson. Não estou à espera de aprender todas as músicas (a lenda de que Johnson terá vendido a alma ao diabo para aprender a tocar daquela maneira não nasceu por acaso...), mas aprende-se bastante só a tentar. De qualquer forma, já me senti orgulhoso ontem ao aprender uma música inteira. Bom, é a mais fácil de todas, e são meia dúzia de acordes que se vão repetindo praticamente sempre da mesma forma (é o They're Red Hot)... Mas ainda assim: é Robert Johnson. Se me dá sempre gozo aprender uma música nova, ainda mais me dá quando é de um músico como este. :)

(depois disto fiz algo que se calhar não devia, porque é uma grande heresia aos deuses do blues, e ou muito me engano ou ainda irei arder no inferno por isto, obrigado a ouvir pan pipes por toda a eternidade: peguei na gravação original de Johnson, retirei-lhe o som da sua guitarra e gravei-me a mim a acompanhá-lo, numa espécie de dueto cósmico com 74 anos de intervalo. O resultado está
aqui.)
bochechas

coisas que matam uma música

Estou a ouvir 'A Aprendizagem de Margarida Pinto', o EP da Margarida Pinto (a vocalista dos Coldfinger), que saiu gratuitamente no Optimus Discos.
 
Tem uma música muito bonita chamada 'Mariazinha Luz', com uma bela letra. Mas ouvir a Margarida Pinto dizer, assim mesmo, com as letras todas, as palavras 'probabelidade' e 'sensibelidade' (esta repetida várias vezes...) tira-me toda a vontade de ouvir isto. E é pena.